O que é a sombra? E como realizar o trabalho com a sombra?

Eu sou Kabbalista. Comecei meu processo espiritual na Kabbalah fazem 4 anos, quando entrei no grupo que estou até o momento. Apesar de ter intensificado meu desenvolvimento espiritual nesses anos, não somente eu, mas toda a pessoa está passando por processos espirituais.

Quero dizer: se você tem consciência do processo ou não; ou se você escolheu entrar nesse processo ou não,  você está na vida para desenvolver sua espiritualidade. Por isso nós encarnamos. E você encarna até cumprir o que precisa cumprir.

É justo, não é justo? Não sei. Eu tenho dias que me revolto sobre isso. Mas, quer saber? Aceitar é um processo também. E como processo tem momentos difíceis. Tem momentos que parece que nada está acontecendo. Tem momentos que você se sente tão bem, tão feliz, quase flutuando.

Essa intensidade é normal?

Talvez não. Mas, pensa comigo: quantas vezes nós apenas parecemos controlados, parecemos bem, parecemos felizes? E é apenas aparência muitas vezes.

A ideia é exatamente você embarcar numa viagem para dentro de si, descobrir o que não conhecemos sobre nós, enfrentar nossa sombra e alcançar nosso eu superior.

Por isso, neste post quero falar sobre o lado negro do desenvolvimento espiritual, que inclui o enfrentamento da minha sombra. Vem comigo!

O que é arquétipo? 

O psicanalista Carl Jung cunhou o termo a sombra. Esse termo se refere as nossas feridas mais profundas. A sombra é um arquétipo que representa o lado sombrio de uma pessoa. Devemos destacar que não é algo que ele inventou, mas que se observa no ser humano.

E o que é arquétipo?

O arquétipo, portanto, é um conceito que Jung desenvolveu ao observar que existem imagens que são formadas a partir da vivência de cada indivíduo, mas que possuem estrutura semelhante em cada pessoa. Por exemplo, existe a possibilidade de que todo ser humano forme a imagem de pai e de mãe porque todos os seres humanos possuem pai e mãe.

Claro, nós sabemos que as estruturas familiares podem ser complexas, mas a palavra “possibilidade” mostra exatamente que em potência pode-se desenvolver a imagem de pai e mãe. Essa estrutura possibilita o desenvolvimento de um comportamento, mas que será atualizado.

A psicóloga Lilian Wurzba explica que dentro da visão de Jung o inconsciente não é desenvolvido no decurso da vida da pessoa, mas é a priori (princípio anterior a experiência). O arquétipo estaria próximo da noção de instinto. Em poucas palavras, Wurzba explica que “o arquétipo seria a imagem do instinto”.

Além disso, os padrões arquetípicos formam o que Jung chama de “inconsciente coletivo”, que é como um conjunto de padrões (arquétipos) individuais que formam um conjunto de padrões coletivos. Trata-se de um arquivo ancestral que vem sendo herdado por cada indivíduo humano.

E agora, o que é a sombra?

O que é a sombra_

Como eu disse acima, a sombra é um arquétipo que representa nosso lado sombrio, aquele que normalmente negamos e até mesmo escondemos de nós e do mundo. A sombra tem a ver com nossas feridas mais profundas.

A sombra é onde estão os sentimentos mais primitivos, nosso ego ao extremo, instintos reprimidos. Aquilo que devido a educação e padrões morais  é considerado algo que não devemos ser, por assim dizer.

Esses modos de ser são como que escamoteados e se transformam na nossa sombra. Quando precisamos por algum motivo enfrentar a sombra, trabalhar com ela, surge uma inquietação e até mesmo desencanto porque estamos lidando com frustrações, medos, inseguranças e ressentimentos. Nós guardamos os nossos monstros, eles não são jogados fora simplesmente. Apesar disso, nem tudo que se transforma em sombra é mal, nós não precisamos encarar isso de maneira maniqueísta, porque existem diferentes tipos de sombra. Na realidade, nós devemos enfrentar nossa sombra, porque apenas assim conseguiremos encontrar a luz.

É como se no caminho entre você e a luz (felicidade, autoconhecimento, etc) a sombra estivesse ali. Não adianta fingir que não. É preciso olhá-la nos olhos.

Carl Jung emprestou o termo sombra de Nietzsche. Esse termo se refere como eu já disse, a traços da nossa personalidade que estão ocultas. A sombra é aquilo que está reprimido em nós, de modo que mesmo que você se considere uma pessoa boa e pareça tal e que lida bem consigo mesma, se você nunca enfrentou sua sombra, é pouco provável que seja de fato.

Enfrentar a sombra é praticamente colocar a si mesmo a questão: “Eu sou bom?”. Porém, não apenas isso, porque se trata também daqueles sentimentos inquietantes que são despertados em determinadas situações e que muitas vezes compelem a agir de maneira fora do aceito socialmente. Você já vivenciou isso? E já quis entender por que agiu daquela maneira? Pois é, pode estar relacionado a sua sombra.

É algo extremamente doloroso de enfrentar. Dentro de nós escondido se encontram os instintos, a violência, o ódio, a sexualidade reprimida. E quanto mais passa o tempo e mais reprimimos nossa sombra, ela torna-se mais destrutiva para o indivíduo.

Por que é importante trabalhar com a sombra?

iluminar a sombra você pode

“Ninguém se ilumina imaginando figuras de luz, mas se conscientizando da escuridão”.
Carl Jung 

Não é uma boa ideia deixar a sua sombra “para lá” e seguir a vida. Porque, na verdade, você não consegue seguir a vida tranquilamente, porque a sombra é formada dos traumas, dos medos, das decepções, etc que aconteceram com você. Quanto mais você reprime a sombra, o monstro se torna maior. Portanto, você precisa enfrentar o monstro. Claro, muitas vezes não será fácil simplesmente fazer isso sozinho. A ajuda de um psicólogo talvez seja necessária.

E se você tem ou suspeita ter depressão, por favor, pare aqui. Você precisa procurar ajuda de um psicólogo ou psiquiatra. Acredite, muitas vezes queremos ser fortes e seguir sozinhos. Muitas vezes acreditamos que não precisamos de ajuda. Contudo, ser forte é reconhecer quando precisamos de ajuda também. Mas se você não se sente bem ao extremo, não vê saída, ou qualquer outro sintoma de depressão, procure ajuda. A vida é difícil, mas você pode encontrar um cantinho nela onde se sinta bem. E esse cantinho é criado dentro de você.

Agora, retornando a questão de encarar a sombra, eu entendo que se trata de um processo de amadurecimento muito importante. Você mergulha em si mesmo e se encara. E entra em um diálogo interno. Como disse Jung na frase que destaquei acima, é preciso se conscientizar da escuridão que temos dentro de nós.

Se você não faz isso, surge uma deficiência em você. E a partir do momento que você se engaja em trabalhar com a sombra, você se permite expandir e torna possível viver uma vida plena. É claro que no começo é doloroso.

Eu me lembro de quando eu tive meu primeiro “choque de realidade” comigo mesma. Lembra que eu disse lá no começo do texto que sou kabbalista? Pois foi mais ou menos 2 anos depois de entrar no grupo de Kabbalah, exatamente em um período que eu tinha aceitado o processo espiritual e assumi a pedreira que era.

Você deve estar se perguntando: Foi difícil Águeda?

Amiga, foi. Foi bem difícil. E continua sendo, apesar de que agora eu consigo seguir sem precisar sentar e chorar e sentir raiva a cada 2 dias. Aquela foi a primeira vez que entendi porque tantas pessoas começam a Kabbalah e desistem. É muito difícil. Olhar para dentro de si e ver a sombra, ver o que dói, chacoalhar lá dentro não é fácil. Mas é libertador. Sabe a sensação de tirar um peso dos ombros?

Como trabalhar com a sombra?

Contudo, a Kabbalah não é o caminho que todos escolhem.

Então, como fazer o trabalho com a sombra?

Quando falamos de se desenvolver espiritualmente, na minha visão enfrentar a sombra é um processo que faz parte disso. A luz ou iluminação e sentir o amor que procuramos são um destino. No caminho para lá, existe um processo que inclui enfrentar a sombra. Essa ação permitirá que você cure as suas feridas que estão escondidas bem fundo.

Sabe aqueles sentimentos, memórias, sonhos perdidos que te fazem sentir uma pessoa inferior, feia e até mesmo indigna de amor? Nada disso vai embora sem você acender uma luz encima deles. E talvez você precise iluminar mais de uma vez as feridas. Precisa ser exercitado.

O que fazer?

Autoconhecimento

  • Você deve prestar atenção no que acontece dentro de você. Com a prática, você vai perceber que parece que você sente mais, que você se chateia mais, se estressa mais. Você começa a perceber sentimentos e sensações que nunca tinha notado. Focar no lado de dentro desperta (ou te acorda para) um turbilhão de emoções, e não o contrário. Talvez pareça um aborrecimento precisar prestar atenção nos sentimentos negativos, mas é necessário para que possamos identificar as feridas.
  • É interessante parar e analisar esses sentimentos quando eles surgem. Questione esses sentimentos. Respostas podem demorar, mas é importante dar tempo para que surjam respostas que não venham simplesmente do ego. Você está procurando uma resposta que venha da alma/eu superior.
  • Como a sombra está escondida ela é subconsciente e pode não ser tão fácil identificar as suas sombras. Preste atenção em padrões que se repetem em sua vida ou que acontecem frequentemente. Você identifica problemas, experiências, sentimentos recorrentes? Você está no caminho certo. Por exemplo, acreditar que “não é boa o suficiente”, ou pensar “eu sou uma farsa”.
  • Não esqueça que você esta fazendo uma investigação interna. Não entre no jogo da culpa: eu sou culpada ou os outros são culpados. É importante reconhecer aquilo que influencia nossa personalidade, principalmente os temas da infância, mas você não precisa ser cruel consigo, perdoe o que te machucou ou quem te machucou e siga em frente. Conhece o Ho’oponopono? Pratique: Eu sinto muito, Perdoe-me por favor, Eu sou grata, Eu te amo! 😉

As minhas sugestões para fazer sua investigação interna são:

  • Meditar, contemplar;
  • Escrever em um diário; anotar os questionamentos que surgem;
  • Escreva uma carta (que não precisa ser enviada necessariamente);
  • Sentir suas emoções, ou seja, prestar atenção nelas. Você pode escrever sobre elas. Ou se expressar de outras maneiras artísticas;
  • Fazer terapia;
  • Nutrir sua criança interior. Como nutrir sua criança interior: Reserve um tempo para fazer esse exercício. Respire profundamente. Relembre uma época na sua infância em que você se sentia vulnerável. Preste atenção nos sentimentos que surgem. Em seguida, diga a sua criança “Eu te amo” e “Eu estou aqui com você, você não está sozinha, você não precisa se sentir culpada”. Você não merece isso. Acaricie ou abrace ela. Esse é um exercício poderoso, como explica Suzanne Heyn aqui. Claro que você precisa embarcar nessa jornada. Dê uma chance!

E por que é importante resgatar esses momentos vulneráveis da sua infância?Porque na infância traumas ou a maneira que seus pais foram com você podem ter gerado feridas que você possui até a idade adulta. Confira este post que fala mais a respeito. Essas feridas criam comportamentos e padrões emocionais que muitas vezes você não tem ideia. E quando percebe, é uma luta iluminar a sombra que elas causam.

O que é a sombra_

Muito provavelmente você possui crenças que te causam dores, sofrimentos, angústias. E tudo isso pode estar atrapalhando sua vida. Quando você percebe essas crenças, a dor e problemas que causam não é fácil se livrar deles. Porque, você terá de entender que a dor que esses traumas causam são causados por você. Você deixou o monstro escondido no armário, tentou esquecê-lo. Mas na verdade, ele não esquece você.

Claro, não é preciso se sentir culpado. Você precisa enfrentar isso. Por isso não é fácil iluminar a sombra.

Lembre-se: perdoe-se. Abrace a si mesmo e ame quem você é. Cuide primeiro de você, e depois você poderá mudar o mundo!

Enfrente e ilumine sua sombra! Sua vida se tornará mais leve.

meditar enfrentar a sombra

Se você tiver alguma ideia ou experiência para compartilhar vou adorar te conhecer melhor.

Deixe seu comentário. 

Compartilhe nas mídias!

Siga meu Instagram e me ajude a crescer! 🙂

 

 

Publicado por aguedamars

Blogger (e filósofa nas horas vagas). Apaixonada por desenvolvimento pessoal e espiritualidade.

Se junte à conversa

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

MarT

Seja humilde, pois até o sol com toda sua grandeza se põe e deixa a lua brilhar.

Cumulonimbus

portal de integração artística

Blog da Sil

Moda - Beleza - Tendências - Dicas

RESISTA COMO UMA MULHER CEGA!

É um projeto com o objetivo de defender direitos sociais, individuais e coletivos a partir do “olhar” e de relatos de experiência de uma mulher cega.

Irina Marques, Arts & Thoughts

Artista Plástica - arte, escrita, e outras formas de expressão

THIARLES YAN

Permita-se pensar fora da caixa!

psiudotblog.wordpress.com/

"A mulher é uma revolução dentro da revolução. Em frente!"

De uma alma para outra

Escritos de um coração aflito

Seus Defeitos são suas Qualidades

Filosofia, psicologia, quebra de paradigma e relacionamento humano

NA PONTA DOS PÉS

Para quem ama as letras é fácil escrever, porém, não é fácil manter a cabeça no lugar. Um pouquinho de cada coisa, dança, desenho, música e o principal textos. Venha me acompanhar nessa aventura.

Superinteressante

Acredite no conhecimento. Enxergue SUPER.

Matilda Inquieta

ENTRE TOMAR UM DRINK E FAZER A REVOLUÇÃO...

Adolescência de Lua

A adolescência é uma fase que levamos para a vida inteira, não importa qual seja sua idade ou gênero. Venha se conectar ou reencontrar a adolescente que existe dentro de você!

pqnaojoy.wordpress.com/

"Tenha coragem e externalize seus sonhos. Acreditar é persuasivo e causa efeito."

~ Feldenkrais Barcelona®~Esther Niego

Donde el cambio es posible, autoconocimiento y aprendizaje a través del movimiento

Tati Lopatiuk

Escritora nas horas vagas e em todas as outras.

Amores burlescos

Um blog de crônicas, contos e pensamentos sobre amores verdadeiros ou não.

%d blogueiros gostam disto: